CEBDS lança estudo sobre os riscos de financiamento dos impactos ambientais

Home » Home, Notícias » CEBDS lança estudo sobre os riscos de financiamento dos impactos ambientais

julho 9, 2015

CEBDS lança estudo sobre os riscos de financiamento dos impactos ambientais

Rio de Janeiro, 08 de julho – Fundos de pensão e bancos brasileiros estão expostos a bilhões de dólares de custos ambientais devido aos impactos ambientais causados pelas atividades das empresas que esses atores financiam ou investem. A integração de fatores ambientais nas decisões de financiamento pode ajudar as instituições financeiras a reduzirem esses riscos ambientais e ao mesmo tempo promover fluxos de capital para processos e produtos respeitadores dos recursos e do ambiente.

Os resultados foram publicados no relatório de “Exposição do Setor Financeiro ao Risco do Capital Natural”, elaborado pelo pelo Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), em parceria com a GIZ (Agência Alemã para a Cooperação Internacional) e a Trucost, e divulgados nesta terça-feira, 07, durante evento na Febraban.

A pesquisa quantifica, em termos financeiros, os impactos do capital natural de 45 setores de negócios no Brasil, incluindo a agricultura, cimento, produtos químicos, energia, florestas e aço. Os impactos incluem as emissões gases de efeito estufa, consumo de água, desmatamento, resíduos, água e poluição do ar.

O estudo constata que o custo do capital natural total de empresas financiadas por bancos e fundos de pensão brasileiros é de R$ 1,646 bilhões. Os setores com os maiores custos de capital natural incluem a criação de gado, cultivo de soja e extração de petróleo e gás. Para cada milhão de reais de receitas, o setor de pecuária, por exemplo, gera R$ 22 milhões de impactos ambientais, principalmente por meio de desmatamento e de emissões de gases de efeito estufa. Da mesma forma, no caso do cultivo de soja, para cada R$ 1 M de receita gerada pelo setor, totalizam impactos ambientais no valor de quase R$ 3 milhões.

Mesmo se os setores de uso intensivo de capital natural no Brasil internalizassem uma pequena fração dos custos das externalidades ambientais que eles estão gerando, seu desempenho financeiro e, consequentemente, a sua capacidade para reembolsar os empréstimos e gerar receitas de acionistas seria impactado significativamente. Se, por exemplo, os setores de abate de animais e processamento internalizassem apenas 2% dos custos do capital natural gerados, o setor já não seria rentável. Já na indústria petroquímica, os lucros do setor desapareceriam caso 13% dos seus custos de capital natural forem internalizados.

Devido a uma elevada percentagem de empréstimos para setores como pecuária e indústrias agrícolas, os bancos brasileiros estão particularmente expostos aos custos do capital natural – mais que o dobro do que os fundos de pensão brasileiros. No entanto, os fundos de pensão enfrentam custos de capital natural consideráveis, devido aos investimentos em setores petroquímicos, de metais e dos produtos alimentares.

O relatório recomenda que as instituições financeiras devam quantificar os custos do capital natural relacionando com as suas carteiras de investimentos e carteiras de empréstimos; avaliar os riscos destes custos virem a ser internalizados ao longo do tempo como resultado de regulamentação ou relacionando a volatilidade do clima; e incorporar considerações de capital natural em suas análises, processos de tomada de decisão e estratégias de investimento.

Para permitir isso, é fundamental que os bancos e os fundos de pensão usem sua posição para exigir melhores dados sobre os impactos do capital natural das empresas. Eles também devem incentivar as empresas a reduzir seus impactos ambientais e a utilização de recursos através da adoção de métodos de produção ambientalmente sustentáveis, como a energia renovável, irrigação eficiente e reciclagem de resíduos.

Richard Mattison, principal executivo da Trucost, disse: “A valorização do capital natural oferece aos bancos e fundos de pensão um novo quadro para compreender os riscos e as oportunidades dos seus investimentos e de suas atividades de financiamento. As instituições financeiras que integram as considerações do capital natural em sua avaliação patrimonial e nas decisões de concessão de empréstimos corporativos, podem se beneficiar através da redução dos riscos e identificação de oportunidades de negócios mais rentáveis.”

Simone Dettling, coordenadora do Diálogo sobre Finanças Verdes nos Mercados Emergentes, disse: “A integração dos custos dos impactos ambientais e uso de recursos para a tomada de decisão financeira será um passo crucial para um sistema financeiro sustentável, que pode apoiar a transformação verde das economias em todo o mundo.”

Marina Grossi, presidente do CEBDS, afirmou: “Embora a exposição do setor financeiro ao capital natural seja indireta, uma vez que não há nenhuma dependência e impacto dos serviços no ecossistema, tão forte como nos setores da indústria, os bancos estão percebendo cada vez mais que os problemas de abastecimento ou a qualidade do capital naturalpodem dificultar a implementação de projetos, causando perdas significativas.”

O relatório completo “Exposição do Setor Financeiro ao Risco do Capital Natural no Brasil” está disponível para download no site do CEBDS: http://cebds.org/wp-content/uploads/2015/07/GIZ-Natural-Capital-Risk-Exposure.pdf, bem como o Sumário Executivo:http://cebds.org/wp-content/uploads/2014/12/GIZ-exec-summary-CERTO.pdf.

 

CEBDS

CEBDS é o representante do Conselho Mundial Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável (WBCSD) no Brasil. Uma associação fundada por líderes empresariais que percebem a necessidade de integrar as atividades corporativas ao desenvolvimento sustentável.

 

GIZ

A Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH é uma instituição federal, com operações em todo o mundo. Ela apoia o Governo alemão no que tange a cooperação internacional para o desenvolvimento sustentável e educação internacional. A GIZ ajuda os indivíduos e as sociedades a desenvolver suas próprias perspectivas e melhorar suas condições de vida.

 

Trucost

Trucost ajuda os investidores e as empresas a compreenderem as consequências econômicas da dependência do capital natural, a fim de identificar os riscos e as oportunidades do crescimento das pressões sobre os recursos naturais e custos ambientais.

Tags: , , ,

Pin It

Notícias Relacionadas

One Response to: CEBDS lança estudo sobre os riscos de...

Deixe uma resposta

« Anterior: Próximo »

Voltar ao topo