Água, inovação é decisiva

Home » Artigos Sônia Araripe, Home, Notícias » Água, inovação é decisiva

março 22, 2016

Água, inovação é decisiva

Nada mais relevante para descortinar a urgência de um tema do que a crise. A escassez da água trouxe para o dia-a-dia dos brasileiros uma realidade que, aparentemente, só fazia parte há muitos anos da vida dos sertanejos valentes que sempre lidaram com a escassez deste recurso natural.

Se a água pode terminar ou rarear para todos nós – ricos ou pobres, nordestinos ou sulistas, agricultores ou empresários – como enfrentar de frente o tema? O que se viu nos últimos dois anos foi uma grande mobilização em torno de soluções e saídas possíveis para enfrentar uma realidade cada vez mais óbvia. Jamais teremos a quantidade abundante de água como estivemos acostumados. Não será mais possível produzir como antes. A inovação e o engajamento de todos serão essenciais e decisivos.

Trazemos apenas alguns exemplos recentes para ilustrar do que estamos falando. Uma grande indústria do setor de beleza transformou-se em case por reutilizar quase a totalidade deste insumo. Também uma gigante fabricante de refrigerantes antecipou globalmente em cinco anos a meta de neutralidade em água, meta que já foi atingida pelas suas engarrafadoras no Brasil. Não são ações isoladas. A inovação tem sido pedra-de-toque para revolucionar tradicionais processos produtivos. Destacamos inovações mesmo, soluções criativas que passaram a ser referência. Louvável também o envolvimento e ação de seguradoras neste sentido.

Engana-se quem imagina que estas ideias são grandiosas e custosas em termos de volume e tecnologia. Até mesmo no dia-a-dia é possível também encontrar e implementar soluções criativas. Como a tecnologia de minicisternas capazes de armazenas água de chuva. Mesmo em locais de grande fluxo de pessoas, é possível manter a limpeza com reduzidos volumes de água, como destacam especialistas.

Recente relatório da Organização Mundial da Saúde mostrou que um total de 748 milhões de pessoas não tem acesso a água potável de forma sustentada em todo o mundo e calcula-se que outros 1,8 bilhão usem uma fonte que está contaminada com fezes,

A tragédia envolvendo a Bacia do Rio Doce mostrou a urgência de avançar no debate sobre a segurança hídrica e como salvaguardar populações ribeirinhas e a biodiversidade. Minas Gerais e o Espírito Santo foram afetados em um rastro de cerca de 700 quilômetros de interferência. O acordo foi assinado, levará anos até ser consolidado, mas já ficou mais do que evidente a necessidade – mais uma vez – da inovação na questão da governança entre poderes, empresas e comunidades para que seja viabilizado.

E todos os temas interligados: água, saneamento, clima, encostas, prevenção, crise, inovação….Nesta mandala, não há como destacar prioridades. Sem começo e sem fim, todos os temas são da mais absoluta urgência, como mostraram especialistas em Geotecnia reunidos pelo COPPE/UFRJ no Rio, ao destacarem que as cidades devem priorizar a contenção de encostas para evitar deslizamentos.

Maurício Ehrlich, professor de engenharia geotécnica do Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Coppe-UFRJ), defendeu que as cidades tenham um planejamento urbano para evitar não só o problema de deslizamento de encostas, mas também inundações. “Boa parte das cidades cresceu de forma informal, não planejada. Com a expansão da cidade, ela avançou cada vez mais em direção aos morros, principalmente a população de baixa renda, que foi para as encostas, acima das áreas de preservação”.

Na parte do clima, engana-se quem imagina que este assunto está equacionado e distante. A luz amarela está acesa, adverte o especialista Carlos Rittl, diretor-executivo do Observatório do Clima. “É preciso demonstrar as conexões entre o nosso comportamento diário e a dimensão dos desafios da mudança climática.”

Sonia Araripe
Sônia Araripe é jornalista com 30 anos de experiência em várias redações, especializada em economia, finanças e seguros, diretora de Plurale em Revista e colaboradora quinzenal da coluna Sustentabilidade: Teoria e Prática, do site CNseg Sustentabilidade em Seguros.

Tags:

Pin It

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

« Anterior: Próximo »

Voltar ao topo