G-20: Finanças Verdes no centro do debate

Home » Artigos, Home, Mudanças Climáticas, Notícias » G-20: Finanças Verdes no centro do debate

setembro 8, 2016

G-20: Finanças Verdes no centro do debate

No último dia 05 de setembro, o Grupo de Estudos de Finanças Verdes (GFSG, na sigla em inglês)  do G20 divulgou o Relatório Síntese de seu progresso na análise dos desafios ensejados por investimentos em projetos que ofereçam benefícios ambientais  e façam parte de um contexto mais amplo do desenvolvimento ambientalmente sustentável.

Criado durante a presidência chinesa do G20, o GFSG tem como objetivo “identificar barreiras institucionais e mercadológicas para as finanças verdes e, com base nas experiências dos países, desenvolver opções de como melhorar a habilidade do sistema financeiro  em mobilizar o capital privado para investimentos verdes”. O resultado do Relatório apontou uma série de desafios a serem enfrentados pelos chefes de Estados para que as finanças verdes atraiam investidores, tais como  dificuldades na avaliação de externalidades ambientais, assimetria de informações (p.ex. entre investidores e destinatários), capacidade analítica inadequada e falta de clareza nas definições verdes.

Nesse sentido, a Síntese também indica sete pontos que devem ser aprimorados caso os países queiram utilizar as finanças como um instrumento de mudança. São eles: fornecer sinalizações e estruturas de uma política estratégica; promover princípios voluntários para finanças verdes; expandir as redes de aprendizagem para o desenvolvimento de capacidades; apoiar o desenvolvimento dos mercados locais de títulos verdes; promover a cooperação internacional a fim de facilitar os investimentos em títulos  verdes entre países; encorajar e facilitar o compartilhamento de conhecimentos sobre riscos financeiros e ambientais; e melhorar a avaliação das atividades de finanças verdes e seus impactos.

O resultado da pesquisa desempenhada pelo GFSG rendeu uma menção às finanças verdes no Comunicado dos Líderes do G20, que se reuniram em Hangzhou (China) nos dias 4 e 5 de setembro. Leia abaixo o trecho:

“21. Reconhecemos que, para apoiar o crescimento ambientalmente sustentável em âmbito mundial, é necessário ampliar a oferta de financiamento verde. O desenvolvimento do financiamento verde se depara com vários desafios, inclusive, entre outros, com dificuldades para internalizar externalidades ambientais, descasamento de vencimentos, falta de clareza sobre definição do que seja “verde”, assimetrias de informação e inadequada capacidade analítica, mas vários desses desafios podem ser enfrentados por meio de alternativas desenvolvidas em cooperação com o setor privado. Saudamos o Relatório Síntese do G20 sobre Finanças Verdes apresentado pelo Grupo de Estudos sobre Finanças Verdes (GFSG, em inglês) e as opções voluntárias desenvolvidas pelo GFSC para aprimorar a capacidade do sistema financeiro de mobilizar capitais privados para o investimento verde. Acreditamos que esforços podem ser realizados para dar sinais claros quanto a políticas e marcos estratégicos, promover princípios voluntários para o financiamento verde, expandir redes de aprendizado para a capacitação, apoiar o desenvolvimento de mercados de títulos verdes, promover colaboração internacional para facilitar o investimento transfronteiriço em títulos verdes, incentivar e facilitar o intercâmbio de conhecimentos sobre riscos financeiros e ambientais e aprimorar a mensuração das atividades de financiamento verde e seus impactos.”

Para acessar o relatório completo na sua versão em inglês, clique aqui: http://unepinquiry.org/wp-content/uploads/2016/09/Synthesis_Report_Full_EN.pdf

Pin It

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

« Anterior: Próximo »

Voltar ao topo